segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Observações na mídia americana

  • Mineiros resgatados no Chile

Tenho feito algumas observações sobre as coberturas midiáticas nos EUA e vou comentar algumas que eu sempre quis saber como, o que eles pensam a respeito da América Latina.
Primeiramente, outro dia minha amiga Jara me perguntou a respeito do caso do salvamento dos mineiros no Chile, se havia tido a transmissão ou não, já que eu havia dito anteriormente que a cobertura internacional é superficial.
Pois bem, a CNN transmitiu todos os segundos juntamente ao pronunciamento de Obama torcendo pelo sucesso da operação e comentários de pessoas presentes na CNN. O motivo? Os EUA emprestaram a perfuratriz para fazer o buraco para que nada desse errado. Outro motivo é que mais de 200 países estavam noticiando o salvamento e também resultou numa boa audiência, mas não deixaram de lembrar a importância dos EUA na operação.

  • A morte do ex-presidente da Argentina, Néstor Kirchner

O caso dos mineiros, o mesmo não serve para o ex-presidente da Argentina, Néstor Kirchner, que faleceu semana passada. O foco aqui está nas eleições para cargos representativos (senadores, juízes, governadores), mas voltarei mais tarde para explicar isso. Enfim, acompanhei a CNN bem cedinho, depois liguei a TV novamente na hora do almoço e à noite também. Estranhei que nada tivessem comentado a respeito da morte dele e fui ao site da CNN procurar. Encontrei e me surpreendi com algumas informações.



No site está disponível um vídeo e uma reportagem e pelo que entendi, os americanos não gostam muito de Néstor.
No vídeo o jornalista diz que o Lula declarou três dias de luto oficial, o que se confirma num site brasileiro que fui procurar. Mui amigos!
O mais engraçado é que a jornalista pergunta ao correspondente quando a viúva Cristina volta a trabalhar. hehehheeh
Abaixo do vídeo há uma reportagem. Na primeira linha já começam a dizer que o ex-poderoso presidente da Argentina morreu. É citado também o fato de a Argentina ter dado um calote em um empréstimo do Fundo Monetário Internacional, o FMI (localizado nos EUA), em vez de usar as reservas cambiais do país para pagá-la. O país passou de cerca de US$ 8 bilhões em reservas quando Kirchner assumiu o cargo em 2003, para cerca de US $ 50 bilhões em 2007. O chefe de gabinete teve de explicar à imprensa que a Argentina não poderia usar suas reservas de divisas para pagar o FMI e enfatiza a recuperação da saúde econômica e fiscal do país como uma das maiores conquistas de Kirchner, assim como faz o PT que só sabe falar de bolsa.
O que também não agrada os EUA é o fato de Kirchner ter desenvolvido relações fraternas com a Venezuela e Cuba, países que vivem em conflito com os EUA.
Além disso, a reportagem cita que a influência de Kirchner continuou com o fim do mandato porque ele criou a Unasul, um organismo para equilibrar a influência dos Estados Unidos. Assim como ele ajudou a colocar sua esposa, Cristina Kirchner, na Casa Rosada para representá-lo. Isso me lembra Dilma e Lula.
Após a reportagem há comentários de pessoas dizendo que um ladrão morreu. Outros já dizem que foi o melhor presidente em 50 anos. Meus pêsames, Cristina!

  • Brasil visto por americanos

Eu também sempre quis saber o que a mídia, quando investe seu tempo para falar do Brasil, o que pensam e o que produzem. Recentemente o “The New York Times” produziu um vídeo de quase seis minutos sobre a favela Cidade de Deus, no Rio de Janeiro, o processo de pacificação nas favelas e a preocupação com a Copa do Mundo e as Olimpíadas que serão sediadas pelo Brasil. 




Infelizmente, é assim que eles conhecem o Brasil. Espero que a Copa do Mundo e as Olimpíadas possam mostrar o que de melhor o Brasil oferece.
A minha amiga Judy comentou com a mãe dela sobre ir ao Brasil e o conselho que recebeu foi: “Não vá ao Brasil”. Mas eu expliquei que temos muitas outras coisas boas, bem diferentes do que a mídia mostra.



Próximo post: Eleições no Brasil e nos EUA. Só para adiantar, li uma reportagem em que o título é: “Dilma: de guerrilheira fugitiva à nova presidente do Brasil”.

2 comentários:

Vera disse...

Argentina agora será presidida por uma mulher! O BRASIL, será dirigida ou DIGERIDA por uma mulher? Não nos preocupemos o lulinha paz e amor estará nos calcanhares da Dilminha ou vice versa?

Gui Barreto disse...

Mari!! Mas eu sou muito ingrato mesmo né??? Faz um tempão que vc me mandou uma mensagem par entrar no seu blog e eu nem aí!! Desculpa.....prometo que vou ler tudinho (mas não agora que to correndo aqui rsrsrs)...vou ler até os posts em inglês (se tiver alguma dificuldade te peço uma ajudinha...hehehe..Bjos